quinta-feira, 6 de julho de 2017

“Homem-Aranha: De Volta ao Lar”: Um novo recomeço


Uma boa notícia para os fãs. O Aranha não morreu, apesar das recentes experiências desastrosas. Apenas mudou de casa e agora retorna vivo, firme e forte. Para quem não está ligando os pontos desta teia, vale lembrar. O personagem Homem-Aranha, nos quadrinhos, pertence à Marvel. Mas no cinema o herói dava expediente na Sony, que detinha os direitos para a telona. Nesta fase de exílio o Homem-Aranha protagonizou cinco filmes. Uma primeira trilogia dirigida por Sam Raimi e estrelada por Tobey Maguire (2002, 2004 e 2007) e outros dois filmes protagonizados por Andrew Garfield (2012 e 2014).

Era chegada a hora de retornar ao lar. A estreia nesta nova fase ocorreu no ano passado com uma pequena participação do novo Homem-Aranha em Capitão América: Guerra Civil, onde, a convite do Homem de Ferro, integrou o grupo dos Vingadores. Agora, finalmente ganha seu filme solo com a marca inconfundível da Marvel. Homem-Aranha: De Volta ao Lar (Spider-Man: Homecoming) é na verdade uma sequência direta daquele filme do Capitão América. Porém, desta vez o foco é inteiramente direcionado ao personagem alter-ego de Peter Parker. Se antes ele foi um mero coadjuvante, nesta nova produção ele ganha vida própria e assume definitivamente o protagonismo no universo Marvel como integrante confirmado dos Vingadores.


Ao mesmo tempo em que participa do maior grupo de super-heróis do planeta, o jovem Peter Parker (Tom Holland) tem que se virar no dia-a-dia com a rotina dos problemas típicos de um adolescente universitário: estudar, fazer provas, ajudar com as tarefas domésticas e, quando possível, flertar com a garota que balança seu coração. Não fosse tudo isso, ainda tenta provar para Tony Stark (Robert Downey Jr.), o Homem de Ferro em pessoa, de que já está pronto para a próxima missão, que não chega nunca. Nesta relação Stark assume por vezes os ares da figura paterna que Peter Parker não tem.

Então, enquanto a missão não vem, ele próprio trata de correr atrás de algo para mostrar o seu valor como super-herói. Típico comportamento de rebeldia juvenil. Quando por acaso impede o roubo de um banco com assaltantes que utilizam armamento com tecnologia de origem alienígena, o Homem-Aranha entra na mira do novo vilão que está surgindo para levar o caos à cidade, o Abutre (Michael Keaton). Neste embate o Aranha assume o novíssimo uniforme super high-tech desenvolvido pelas indústrias do mega empresário Tony Stark. Altamente tecnológico, o novo traje é quase uma armadura com muitas gadgets e incríveis novas funções da tradicional teia, marca registrada do herói.


Homem-Aranha: De Volta ao Lar foi dirigido pelo novato, e pouco conhecido, Jon Watts que fez um ótimo trabalho neste reboot do personagem que estava à espera de uma retomada, pois trata-se de um dos super-heróis de maior prestígio da Marvel. A narrativa leve e descontraída flui sempre com competência, o que torna o filme uma experiência agradável, praticamente sem momentos de baixo interesse. As cenas de ação são eficientes, não pecando pelos excessos vistos ultimamente nas produções do gênero. Apenas uma ressalta negativa para as sequências noturnas que são de difícil visualização, o que dificulta sua plena apreciação.

Recentemente filmes como Deadpool e Guardiões da Galáxia apontaram um caminho que renova o interesse nas adaptações das HQs para o cinema. Ambos abandonaram uma certa solenidade na abordagem e acrescentaram generosas doses de humor. A proposta é reproduzir a experiência desencanada de ler uma revista em quadrinhos, com diversão e relaxamento. Acertadamente o novo Homem-Aranha bebe desta mesma fonte. Objetiva e direta, a nova adaptação do herói aracnídeo não perde tempo com questões de interesse relativo e parte direto para a ação. Pouco ficamos sabendo das suas relações familiares. Nosso conhecimento se limita apenas ao essencial: ele vive com a Tia May (Marisa Tomei) e basta. E nada de repassar a origem dos poderes de Peter Parker. A história da picada da aranha radioativa é citada rapidamente apenas num curto diálogo, e segue em frente.


A repaginação do Homem-Aranha nesta nova versão, com a grife Marvel, foi bem sucedida e demonstra fôlego para muitos filmes. Além do tom correto da aventura, claramente mirando um público mais jovem, possivelmente o grande acerto da produção foi a escalação de Tom Holland para interpretar o herói. Carismático, engraçado, bom ator e muito jovem (o que garante uma vida longa na pele do herói) ele assume com talento o papel que recentemente foi do insosso Andrew Garfield em filmes que não deixaram saudades. O novo Homem-Aranha das telas saiu melhor que a encomenda, até porque a baixa expectativa contribuiu para uma avaliação menos apaixonada e tendenciosa. É fato: Homem-Aranha: De Volta ao Lar revitaliza, com méritos, o prestígio de um herói que andava em baixa.

Assista o trailer: Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Jorge Ghiorzi

Nenhum comentário:

Postar um comentário